A liberdade religiosa em 2019 – sim, precisamos de direito religioso

Bastar olhar para a linha do tempo de 2019 pelo Brasil e pelo mundo. Acontecimentos nacionais e internacionais são a prova de que Direito Religioso é, além de uma realidade, verdadeira necessidade.

Não é de hoje que se lê nas plataformas digitais sobre casos de violação à dignidade da pessoa humana por meio da perseguição religiosa [não citamos os jornais de televisão, porque já é consenso: há uma seletividade por parte da mídia, que sugere uma omissão proposital aos casos de intolerância religiosa aos cristãos].

A tirania contra os cristãos [assim como a qualquer outro grupo religioso] se dá de muitas formas – desde a proibição de culto no campus universitário até a repressão estatal sobre o ato de professa a fé, com ameaças provenientes de penalidades.

Quando um grupo tenta legitimar ações como a de uma visão distorcida do Estado laico, tentando criar tensões entre Igreja e Estado onde não existem, também há uma vexação, que busca limitar o sentimento religioso à esfera privada – algo que contraria o modelo brasileiro de laicidade colaborativa – único no mundo!

Concluímos 2019 com a certeza de que dar autonomia ao Direito Religioso é imprescindível para o bom funcionamento do Estado Democrático de Direito: precisamos promover educação sobre a proteção ao sentimento religioso, e saber que é possível se opor contra qualquer tipo de ataque, seja de qual for a esfera proveniente: seja o Poder Executivo, o Legislativo ou até o Judiciário.

Compartilhe:

48 thoughts on “A liberdade religiosa em 2019 – sim, precisamos de direito religioso

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.