A MÁFIA COVID-19: MÃE FOI IMPEDIDA DE VELAR FILHO COM MICROCEFALIA

Faz pouco mais de duas semana que o maior pesadelo da cearense Maria Inamá Araújo Santiago, 32 anos, virou realidade. Seu filho caçula, Arthur, faleceu aos três anos e dois meses de idade com suspeita de covid-19 na noite de 31 de março, após 8 dias de internação em um hospital em Fortaleza, no Ceará.

Um dia após enterrar o filho com todas as restrições do protocolo funerário para pacientes mortos pela doença – à distância, de caixão fechado, sem velório e sem roupas, já que ninguém pôde tocar em seu corpo depois que saiu da UTI – , veio o resultado do teste: negativo. O laudo apontou que foi uma pneumonia, e não o novo coronavírus, a causa da morte do menino.

A notícia, ainda que tardiamente, trouxe algum alívio para a família, segundo a mãe. “Fiquei aliviada pelo fato de, graças a Deus, ele não ter sido acometido por mais um vírus”, diz ela, acrescentando que o medo de infectar o menino pressionou toda a família.

“Minha filha mais velha foi a que apresentou os primeiros sintomas, e ficou todo mundo em cima, com medo de que ela passasse para o Arthur, para ela usar máscara, para não entrar em contato com ele. Fico feliz que ela não vai precisar carregar essa culpa.”

A história de Inamá e Arthur tinha sido marcada por uma outra epidemia global: a do vírus da zika, doença cujos sintomas a mãe identificou ainda durante a gravidez na cidade de Maracanaú, município de 209 mil habitantes na região metropolitana da capital cearense, onde mora com o marido e três filhas. A cidade tem 20 casos confirmados da covid-19, segundo a Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (Sesa).

Arthur nasceu com microcefalia e outras alterações causadas pela síndrome congênita da zika que limitavam o desenvolvimento da criança, tanto física quanto intelectualmente. O mais grave e constante eram os problemas respiratórios: a pneumonia que matou Arthur, a mais forte de todas, foi a sétima que o menino teve em vida, lembra a mãe.

A notícia de que não era covid-19 a causa da morte do menino, veio tarde demais para evitar o que, para a mãe, é uma das lembranças mais traumáticas relacionadas à perda. Depois de seis dias sem ter tocado em um fio de cabelo sequer do filho e vendo-o apenas uma hora por dia através de uma vidraça, internado na UTI, Arthur foi enterrado também à distância da família, sem velório e sem roupas, já que a funerária recusou-se a vesti-lo. Ele foi colocado nu no pequeno caixão, sob risco de infecção.

A última imagem que a mãe teve do filho, ainda que sem tocá-lo, foi a do seu corpo sem vida levado em uma maca para a capela do hospital, quarta-feira (1).

“Vim para casa na terça-feira (31) já sabendo que ele poderia morrer a qualquer momento, a pressãozinha dele estava baixa e os órgãos estavam entrando em falência. Os médicos sempre foram muito sinceros comigo. Quando foi umas 23h30 me ligaram de lá, dizendo ‘mãe, venha pra cá, que a notícia não é boa’. Fui para lá rapidamente e, infelizmente, era a notícia que eu já esperava”, lembra.

https://epoca.globo.com/brasil/demora-em-teste-de-covid-19-impede-mae-de-velar-filho-com-microcefalia-nem-pude-ver-sendo-posto-em-caixao-24364088
Compartilhe:

104 thoughts on “A MÁFIA COVID-19: MÃE FOI IMPEDIDA DE VELAR FILHO COM MICROCEFALIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.