Entenda por que a Indonésia vacinará contra o coronavírus primeiro a população ativa e não os idosos

A Indonésia se prepara para iniciar a vacinação em massa contra o novo coronavírus e seu plano é priorizar a imunização de adultos em idade produtiva em relação aos idosos, com o objetivo de alcançar a imunidade de rebanho rapidamente e recuperar a economia do país.

Vários países como Estados Unidos e o Reino Unido, que já iniciaram a vacinação, estão priorizando os idosos, que são mais vulneráveis às doenças respiratórias. Por isso, o plano da Indonésia será observado de perto por muitas nações.

Veja o que especialistas dizem sobre os méritos e riscos da abordagem da Indonésia, segundo a qual os adultos em idade produtiva serão vacinados após os trabalhadores de saúde e funcionários públicos da linha de frente no combate à pandemia.

Por que focar em pessoas com 18 a 59 anos primeiro?

A Indonésia, que planeja iniciar inoculações em massa com a Coronavac – vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac Biotech e testada no Brasil pelo Instituto Butantan –, diz que ainda não tem dados suficientes sobre a eficácia da vacina em idosos, já que os testes clínicos em andamento no país envolvem pessoas de 18 a 59 anos.

“Não estamos contrariando a tendência”, disse Siti Nadia Tarmizi, uma autoridade sênior do ministério da Saúde do país, acrescentando que as autoridades aguardariam recomendações dos reguladores de medicamentos indonésios para decidir sobre os planos de vacinação para idosos.

Enquanto o Reino Unido e os Estados Unidos começaram a vacinação com o imunizante desenvolvido pela Pfizer e seu parceiro BioNTech que mostrou que funciona bem em pessoas de todas as idades, a Indonésia tem acesso até agora apenas à vacina da Sinovac.

O país do Sudeste Asiático tem acordo para receber 125,5 milhões de doses da Coronavac e um primeiro lote de 3 milhões de doses já está no país.

O envio da vacina da Pfizer para o país deve começar a partir do terceiro trimestre, enquanto a vacina desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford começará a ser distribuída no segundo trimestre.

“Não acho que alguém possa ser muito dogmático sobre qual é a abordagem certa”, disse Peter Collignon, professor de doenças infecciosas da Australian National University, acrescentando que a estratégia da Indonésia pode retardar a propagação da doença, embora possa não afetar os dados de mortalidade.

“A Indonésia fazer diferente dos EUA e da Europa tem valor, porque nos dirá se veremos um efeito maior na Indonésia do que na Europa ou nos EUA, por causa da estratégia que eles estão fazendo”, completou.

O professor Dale Fisher, da Escola de Medicina Yong Loo Lin da Universidade Nacional de Cingapura, disse entender a lógica da abordagem da Indonésia.

“Os adultos jovens que trabalham são geralmente mais ativos, mais sociais e viajam mais, então essa estratégia deve diminuir a transmissão na comunidade mais rápido do que vacinar indivíduos mais velhos”, disse ele.

“É claro que as pessoas mais velhas correm mais risco de doenças graves e de morrer, portanto, vaciná-las tem uma justificativa alternativa. Vejo mérito em ambas as estratégias.”

Essa estratégia ajudará a alcançar a imunidade de rebanho mais rápido?

Ao vacinar grupos socialmente e economicamente mais ativos primeiro, os funcionários do governo indonésio esperam que o país possa alcançar rapidamente a imunidade coletiva.

Budi Gunadi Sadikin, ministro da Saúde da Indonésia, disse que o país precisa vacinar 181,5 milhões de pessoas, ou cerca de 67% de sua população, para atingir a imunidade coletiva.

Ele também afirmou que são necessárias quase 427 milhões de doses de vacinas, assumindo um regime de imunização em duas doses e 15% de taxa de desperdício.

Alguns especialistas estão céticos sobre como alcançar a imunidade coletiva, pois mais pesquisas precisam ser feitas para determinar se as pessoas vacinadas podem transmitir o vírus ou não.

“Pode haver o risco de as pessoas ainda serem capazes de espalhar a doença para outras”, disse Hasbullah Thabrany, chefe da Associação Econômica de Saúde da Indonésia.

Esse plano ajudará na recuperação econômica da Indonésia?

Economistas argumentaram que um programa de vacinação bem-sucedido, cobrindo cerca de 100 milhões de pessoas, ajudará a impulsionar a economia, pois é mais provável que elas retomem atividades econômicas, como gastos e produção.

Faisal Rachman, economista do Banco Mandiri, disse que a faixa etária de 18 a 59 anos tem necessidades de consumo maiores do que os outros grupos.

“Eles poderiam acelerar a recuperação econômica mais rapidamente porque o consumo das famílias contribui com mais de 50% para a economia da Indonésia”, disse ele, alertando que o aumento dos casos de Covid-19 no país também pode reduzir a confiança das pessoas.

A pandemia empurrou a Indonésia, a maior economia do Sudeste Asiático, para sua primeira recessão em mais de duas décadas no ano passado, com o governo estimando uma contração de até 2,2%.

CNN Brasil

Compartilhe:

188 thoughts on “Entenda por que a Indonésia vacinará contra o coronavírus primeiro a população ativa e não os idosos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.