PF vai investigar jornalistas que defendem suicídio de Bolsonaro, diz ministro

O ministro da Justiça, André Mendonça, afirmou que solicitará a abertura de um inquérito policial contra dois jornalistas por instigação a suicídio. Embora Mendonça não cite expressamente o nome dos jornalistas, a mensagem é direcionada a Ruy Castro, colunista da “Folha de S.Paulo”, e Ricardo Noblat, da revista “Veja”.

Neste domingo (10), Ruy Castro publicou a coluna “Saída para Trump: matar-se”, em que sugere que a única forma de o presidente norte-americano entrar para a história como herói é se matando, como fez o brasileiro Getúlio Vargas. “Se Trump optar pelo suicídio, Bolsonaro deveria imitá-lo”, escreveu também o colunista.

Procurado pelo UOL, Castro respondeu ironizando comentários de Jair Bolsonaro durante a pandemia: “Não sou coveiro”.

Ricardo Noblat republicou em sua conta no Twitter trechos do texto de Ruy Castro. Membros do governo Bolsonaro e apoiadores do presidente cobram que as redes sociais suspendam a conta do jornalista por discurso de ódio. A revista “Veja”, que hospeda coluna de Noblat, repudiou o post do colunista repercutindo o texto de Castro.

“Apenas pessoas irresponsáveis cometem esse crime contra chefes de Estado de duas grandes nações. Fazê-lo é um desrespeito à pessoa humana, à nação e ao povo de ambos os países”, afirmou o ministro da Justiça, também pelo Twitter.

O crime de instigação ao suicídio tem pena de seis meses a dois anos de reclusão, que pode ser dobrada se a ação for praticada pela internet.

Esta não é a primeira vez que Mendonça solicita a abertura de investigação criminal contra Noblat por comentários no Twitter contra o presidente Bolsonaro.

UOL

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.