A taxa de eficácia da CoronaVac, de 50,38%, anunciada nesta terça (12) pelo Butantan, está provocando polêmica e revolta nas redes sociais.

Número muito suspeito', diz Constantino sobre eficácia geral de 50,38% da  CoronaVac | Jovem Pan

A taxa de eficácia da CoronaVac, de 50,38%, anunciada nesta terça (12) pelo Butantan, está provocando polêmica. Levando-se em conta apenas a comparação entre a proporção de pessoas que desenvolveram sintomas entre os vacinados e os que tomaram placebo, a eficácia ficaria em 49,6% – abaixo dos 50% recomendados como o mínimo aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo a CNN apurou, para chegar aos 50,38%, o Instituto Butantan recorreu a uma metodologia chamada Hazard Ratio.

A metodologia considera não apenas o fato de o voluntário do estudo ter desenvolvido sintomas, mas também o tempo em que ele permaneceu no estudo sem apresentar os sintomas da doença. É o que especialistas chamam de cálculo com densidade de incidência.

A fórmula mais comum para o cálculo da eficácia da vacina, chamada de incidência acumulada, leva em conta apenas a comparação da proporção de pessoas com sintomas nos dois grupos (vacinados e que tomaram placebo), sem levar em conta o fator tempo. Ela pode ser usada quando os dois grupos são observados pelo mesmo período de tempo.

De acordo com os números do Butantan, no grupo das 4.599 pessoas que tomou o placebo, 167 ou 3,63% do total desenvolveram sintomas. Entre as 4.653 pessoas que tomaram a vacina, 85 ou 1,83% desenvolveram sintomas – um percentual 49,6% menor do que no grupo que tomou o placebo. Se o Butantan utilizasse metodologia de incidência acumulada, esses 49,6% seriam a eficácia da Coronavac.

No entanto, o material apresentado pelo instituto inclui um outro indicador de incidência, colocado entre parênteses abaixo do número de pessoas que se infectaram em cada grupo do estudo. Esses números seriam resultado da metodologia que o Butantan diz utilizar.

Assim, o grupo que recebeu a vacina passa a ter uma taxa de incidência de 11,74%, ante 23,64% dos que tomaram o placebo – o que é esperado, levando-se em conta que os testes clínicos foram feitos com profissionais de saúde, mais expostos ao vírus.

Com isso, o cálculo de eficácia passaria a indicar 50,33%, acima do mínimo exigido pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

CNN BRASIL

comentário:

Taí o que vocês queriam cobaias esquerdopatas, a vachina do calça apertada com menos de 49,6% de eficácia, que com o jeitinho brasileiro passou para 50,38%, isso com 2 doses, enquanto a da Oxford com uma dose tem 70% de eficácia. tomem e sejam felizes.
Eu contínuo tomando o meu remédio para piolho que pela sua descoberta deu o prêmio Nobel de fisiologia ou de medicina de 2015 a William Campbell e Satoshi Õmura.
Como é que pode esquerdopatas, um remédio para matar piolho ganhar prêmio Nobel?
Que venham agora aquelas respostas totalmente sem sentido que só vocês desprovidos de neurônios sabem dá.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.