“A economia do RN está em colapso, empresas estão quebrando, escolas sem aulas, crianças mais pobres sem acesso algum à educação”, diz integrante do comitê científico estadual

O professor, coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/UFRN) e membro do comitê científico que assessora o Governo do Estado, Ricardo Valentim, disse que a economia do Rio Grande do Norte está em colapso. A declaração foi dada nesta quinta-feira 25, em entrevista ao Bom Dia RN, da Inter TV Cabugi.

Segundo Valentim, a situação econômica do País inteiro está em perigo em meio ao aumento de casos e mortes por Covid-19. “A economia do RN está em colapso, empresas estão quebrando, escolas sem aulas, crianças mais pobres sem acesso algum à educação”, disse, durante a entrevista.

Para ele, há apenas um caminho para a saída da crise, tanto financeira quanto sanitária: “A vacinação em massa”, frisou o professor. Segundo Valentim, a campanha de imunização do Brasil está atrasada em relação a outros países. “Os Estados Unidos devem atingir imunidade de rebanho em breve por causa da vacinação avançada”, exemplificou.

A análise vem em um momento de vigência de medidas restritivas mais rígidas em todo o Estado. Desde sábado 20, apenas atividades consideradas essenciais podem funcionar – decisão que foi tomada em consenso entre a Prefeitura do Natal e o Governo do Estado. Outras cidades potiguares também adotaram as recomendações, tendo em vista o cenário crítico da pandemia.

Até esta quarta-feira 24, o Rio Grande do Norte registrou 4.249 mortes provocadas pela Covid-19 e 188.428 casos confirmados da doença desde o início da pandemia. Março já é o mês de 2021 com maior número de óbitos, com 613 vítimas do coronavírus. A taxa de ocupação de leitos críticos Covid se mantém acima de 80% desde 18 de fevereiro. Na manhã desta quinta 25, 111 potiguares estavam na fila de espera por uma UTI, de acordo com a plataforma Regula RN.

Compartilhe:

3 thoughts on ““A economia do RN está em colapso, empresas estão quebrando, escolas sem aulas, crianças mais pobres sem acesso algum à educação”, diz integrante do comitê científico estadual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.