PF apreende R$ 190 milhões em fraudes no enfrentamento da pandemia: Enquanto a CPI da COVID fica tentando inventar algo que possa incriminar o Presidente, a farra com o dinheiro público corre solta nos Estados e município

A Polícia Federal (PF) ultrapassou na última semana a marca de 100 operações de repressão ao desvio e utilização indevida de verbas públicas federais destinadas ao combate à pandemia de covid-19. Até o último dia 13, o total de operações chegou a 102 e os valores apreendidos a quase R$ 190 milhões.

Em nota, a PF informou hoje (20) que, desde abril do ano passado, já cumpriu 158 mandados de prisão temporária, 17 de prisão preventiva e 1.536 de busca e apreensão em 205 municípios de 26 unidades da federação. O montante de contratos de produtos e serviços investigados atingiu cerca de R$ 3,2 bilhões.

Superfaturamento

Deflagrada em abril de 2020 na Paraíba, a Operação Alquimia foi a primeira ação para apurar suspeita de desvio de recursos públicos. De lá para cá, o Amapá é o estado com o maior número de operações, 11 no total, seguido por Maranhão (10), Pernambuco (8), Sergipe (8), Rio de Janeiro (7), São Paulo (6), Piauí (6), Pará (6), Amazonas (4) e Rondônia (4).

Sobre o montante de contratos investigados, o Pará lidera com R$ 1,4 bilhão. Em seguida, aparecem o Rio de Janeiro (R$ 850 milhões), Pernambuco (R$ 198 milhões), São Paulo (R$ 118 milhões), Minas Gerais (R$ 102 milhões), Rondônia (R$ 92 milhões) e Piauí (R$ 82 milhões).

Edição: Kleber Sampaio

COMENTÁRIO

Enquanto a CPI da COVID fica tentando inventar algo que possa incriminar o Presidente, a farra com o dinheiro público corre solta nos Estados e municípios A Polícia Federal ultrapassou na última semana a marca de 100 operações de repressão ao desvio e utilização indevida de verbas públicas federais destinadas ao combate à pandemia de Covid-19.

Até o último dia 13, o total de operações chegou a 102 e os valores apreendidos a quase R$ 190 milhões.

A PF informou que desde abril do ano passado, já cumpriu 158 mandados de prisão temporária, 17 de prisão preventiva e 1.536 de busca e apreensão em 205 municípios de 26 unidades da federação.

O montante de contratos de produtos e serviços investigados atingiu cerca de R$ 3,2 bilhões.

E para quem pensa que todos os responsáveis por toda essa roubalheira estão lá prestando depoimentos na CPI, estão muito enganados. Sequer são convocados.

A CPI do circo continua com foco onde não há crime!

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.