Rebeca Andrade é Prata: Como ‘Baile de Favela’ foi parar nas Olímpiadas de Tóquio e brilhou no nível e classe! Parabéns, Patriota!

Dos intervalos das Olimpíadas do Rio direto para Tóquio. A história de “Baile de Favela” no solo de Rebeca Andrade começou em 2016, quando Rhony Ferreira, coreógrafo da seleção brasileira, viu como o funk funcionava bem para “levantar a galera”.

Cinco anos depois, a ginasta fez uma apresentação impecável que a colocou na final dos Jogos Olímpicos com o funk de MC João.

“Achei sensacional e via como aquela plateia toda, batia a palma junto, cantava. Pensei: ‘Que bacana para a gente usar um dia justamente para levantar a galera, né?’. Fiquei com essa cartinha na manga”, diz Ferreira ao G1.

Rebeca conquistou a prata nesta quinta-feira (29) na categoria individual geral. É a primeira medalha olímpica do Brasil na ginástica feminina.

Ela ainda disputa o ouro no salto no domingo (1º) e no solo na segunda (2).

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.