Russos driblam censura e acessam internet via VPN e apps criptografados

Diversos aplicativos viram um aumento significativo de downloads nas últimas semanas

Uma Cortina de Ferro digital pode estar descendo sobre a Rússia, enquanto o presidente Vladimir Putin luta para controlar a narrativa sobre sua guerra na Ucrânia

O Kremlin já determinou o bloqueio do Facebook e do Twitter, e seu último passo nessa direção veio na sexta-feira (11), quando o governo anunciou planos de bloquear também o Instagram no país.

Apesar dos esforços de Putin para reprimir as redes sociais e as informações dentro de suas fronteiras, um número crescente de usuários de internet russos parece determinado a acessar fontes externas e contornar as restrições do Kremlin.

Para derrotar a censura na internet da Rússia, muitos estão recorrendo à tecnologia especializada de evasão que tem sido amplamente utilizada em outros países com liberdades on-line restritas, incluindo China e Irã. 

Especialistas em direitos digitais dizem à CNN que Putin pode ter inadvertidamente provocado uma mudança maciça e permanente na alfabetização digital na Rússia que funcionará contra o regime por anos.

Desde a invasão da Ucrânia, os russos têm migrado para redes privadas virtuais (VPNs) e aplicativos de mensagens criptografadas, ferramentas que podem ser usadas para acessar sites bloqueados como o Facebook.

O uso dessas tecnologias permite ainda compartilhar com segurança notícias sobre a guerra na Ucrânia sem entrar em conflito com novas leis draconianas que proíbem o que as autoridades russas consideram ser alegações “falsas” sobre o conflito.

Um rápido aumento nos downloads

Durante a semana de 28 de fevereiro, os usuários de internet russos baixaram os cinco principais aplicativos VPN na Apple e nas lojas de aplicativos do Google por mais de 2,7 milhões de vezes. 

É um aumento de quase três vezes na demanda em comparação com a semana anterior, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado SensorTower.

Esse crescimento se encaixa no que alguns provedores de VPN relataram à CNN

A Proton, com sede na Suíça, por exemplo, disse à CNN ter registrado um aumento de 1.000% nas inscrições da Rússia este mês. (No entanto, a empresa se recusou a fornecer um valor de base para comparação.)

Os provedores de VPN são apenas um tipo de aplicativo que vê maior absorção na Rússia. 

Desde 1º de março, uma variedade de aplicativos de mensagens, incluindo os serviços Messenger e WhatsApp, da Meta, viu um aumento gradual no tráfego, disse a plataforma de monitoramento da Internet Cloudflare.

Mas talvez o aplicativo de mensagens que mais cresce na Rússia possa ser o aplicativo de mensagens criptografadas Signal. 

A SensorTower disse que Signal foi baixado 132 mil vezes no país na semana passada, um aumento de mais de 28% em relação à semana anterior. 

O tráfego de internet russo para Signal tem visto “crescimento significativo” desde o início do mês, disse a Cloudflare à CNN.

Outros aplicativos de mensagens privadas, como o Telegram, viram uma relativa desaceleração no crescimento naquela semana, mas ainda testemunharam mais de meio milhão de downloads nesse período, disse SensorTower.

Nas últimas semanas, os usuários de internet russos também parecem ter aumentado sua dependência do Tor, um serviço que mantém anônima a navegação na Internet, embaralhando o tráfego do usuário, fazendo com que ele acesse a internet por meio de vários outros servidores em todo o mundo. 

A partir do dia da invasão da Ucrânia, a página de métricas do Tor estimou que milhares de outros usuários russos estavam acessando a web através de servidores secretos conectados à rede descentralizada do Tor.

Os usuários do Tor receberam uma ajuda do Twitter na terça-feira, já que a rede social — que foi parcialmente bloqueada na Rússia após a invasão — adicionou a capacidade de acessar sua plataforma por meio de um site especializado projetado para usuários do Tor. O Facebook, por sua vez, tem seu próprio site Tor desde 2014.

A Lantern, uma ferramenta peer-to-peer que direciona o tráfego da Internet em torno de firewalls do governo, começou a ver mais downloads da Rússia a partir de cerca de dois meses atrás, disse Sascha Meinrath, professora de comunicação da Penn State University que faz parte do conselho da controladora da Lantern, Brave New Software.

A empresa Lantern viu um aumento de 2.000% nos downloads apenas da Rússia nos últimos dois meses, disse Meinrath. O  serviço passou de 5 mil usuários mensais na Rússia para mais de 120 mil. Em comparação, disse Meinrath, Lantern tem entre 2 milhões e 3 milhões de usuários em todo o mundo, principalmente na China e no Irã.

“Tor, Lanterna, todas as VPNs, qualquer coisa que esteja mascarando quem você é ou para onde você está indo, tudo, os downloads estão aumentando drasticamente”, disse Meinrath. 

“E é uma coisa de inicialização, então as pessoas que estão no Telegram estão usando isso para trocar notas sobre o que mais você deve baixar.”

Os usuários mais experientes em tecnologia e preocupados com a privacidade, disse Meinrath, sabem como combinar várias ferramentas para maximizar sua proteção — por exemplo, usando o Lantern para contornar bloqueios do governo e, ao mesmo tempo, usando o Tor para anonimizar sua atividade.

A guerra pela tecnologia da informação

A crescente proeminência de algumas dessas ferramentas destaca os riscos para os usuários de internet russos, já que o Kremlin deteve milhares de pessoas por protestar contra a guerra na Ucrânia. 

E contrasta com os passos que a Rússia tomou para reprimir as mídias sociais, desde bloquear totalmente o Facebook até aprovar uma lei que ameaça até 15 anos atrás das grades para aqueles que compartilham o que o Kremlin considera informações “falsas” sobre a guerra.

Natalia Krapiva, advogada do grupo de direitos digitais Access Now, disse que alguns usuários de internet russos usam ferramentas de comunicação seguras há anos, já que o governo russo começou a restringir as liberdades de internet há mais de uma década.

No passado, o governo russo tentou bloquear os provedores Tor e VPN, disse Krapiva. 

Mas não foi muito bem-sucedido, disse ela, devido ao design aberto e descentralizado do Tor que depende de muitos servidores distribuídos e à vontade de novos provedores de VPN de preencher a lacuna deixada para trás pelos proibidos. 

O que a Rússia enfrenta agora é um jogo intensificado de gato e rato, disse Krapiva.

Mas embora Putin possa não ser capaz de encerrar totalmente as tecnologias resistentes à censura, os apoiadores do Kremlin ainda podem tentar arrastá-lo para a guerra de informações mais ampla da Rússia e impedir a adoção.

Em 28 de fevereiro, a Signal disse que estava ciente de rumores sugerindo que a plataforma havia sido comprometida com um hackeamento — uma alegação que a empresa negou categoricamente. 

Sem culpar diretamente a Rússia, a Signal disse que suspeitava que os rumores estavam sendo espalhados como “parte de uma campanha coordenada de desinformação destinada a incentivar as pessoas a usar alternativas menos seguras”.

A afirmação da Signal ressalta a rapidez com que a guerra da informação evoluiu de ser sobre as notícias que saem da Ucrânia para ser sobre os serviços que as pessoas usam para acessar e discutir essas notícias.

Se apenas uma pequena minoria de russos acabar adotando tecnologias de evasão para ter acesso a informações externas, isso pode permitir que Putin domine o espaço de informação dentro do país. E embora haja muitos indícios de interesse crescente nessas ferramentas, parece estar na escala de milhares, não milhões, pelo menos por enquanto.

“A preocupação, é claro, é que a maioria das pessoas, a população em geral, possa não necessariamente saber sobre essas ferramentas”, disse Krapiva. 

“[Eles] podem ser complexos se sua alfabetização digital for bastante baixa, então continuará sendo um desafio ter uma parcela maior da população realmente adotando essas ferramentas. Mas tenho certeza de que haverá mais educação e quero permanecer esperançoso de que eles perseverem.”

Compartilhe:

Deixe um comentário