Artigos

“Como o elo do Hezbollah com o narcotráfico virou um problema para o Brasil”

Resultado de imagem para "Como o elo do Hezbollah com o narcotráfico virou um problema para o Brasil"

“O governo do Brasil nunca admitiu oficialmente a presença no país do Hezbollah, organização libanesa considerada terrorista por várias nações. Mas um conjunto de evidências sobre a atuação do grupo se amontoou nos últimos anos. Com um agravante: o Hezbollah se associou a facções criminosas brasileiras.

Em julho, um membro do Itamaraty falou abertamente sobre o assunto pela primeira vez. O secretário-geral das Relações Exteriores, Otávio Brandelli, disse que é “um dado da realidade” que o Hezbollah atua na América do Sul.

Em 2014, o jornal O Globo teve acesso a documentos da Polícia Federal que mostram como a organização libanesa se associa com criminosos brasileiros. Um dos documentos dizia que o Hezbollah, que tinha alguns membros detidos no Brasil, fornecia armas para grupos de narcotráfico brasileiros em troca de “uma situação favorável aos estrangeiros dentro do sistema prisional, além de assegurar algum lucro com negociações mesmo enquanto estão presos”.”

“Em 2017, um relatório da Foundation for Defense of Democracies (FDD), ONG americana com foco em segurança e política externa, mostrou com detalhes a aliança do Primeiro Comando da Capital (PCC) com o Hezbollah.

Segundo o relatório, “o envolvimento do Hezbollah no comércio de drogas da América Latina é significativo e está em expansão”. O grupo, diz o documento, “formou parcerias com vários das mais notórias organizações criminosas da região, incluindo o Zetas, do México; as Farc, da Colômbia; e o PCC, do Brasil”.

De acordo com o mesmo relatório, “casos de tráfico de drogas envolvendo libaneses com suspeita de laços com o Hezbollah são cada vez mais frequentes” e “evidências indicam que o Hezbollah tem laços em toda a cadeia de fornecimento de narcóticos ilícitos”.

Hezbollah começou com terrorismo, mas mudou foco para crime organizado
Em 18 de julho de 1994, a Argentina sofreu o maior atentado terrorista de sua história: a explosão do prédio da Amia, uma entidade assistencial judaica de Buenos Aires, que matou 85 pessoas e deixou 300 feridos. Em julho, o presidente argentino Mauricio Macri assinou um decreto classificando o grupo Hezbollah, apontado como autor do atentado, como terrorista.

Houve pressão pública para que o governo Bolsonaro seguisse o exemplo de Macri. Mas, até agora, nenhuma decisão nesse sentido foi tomada. O Itamaraty diz que o Brasil “segue as determinações dos comitês de sanções do Conselho de Segurança da ONU [Organização das Nações Unidas] e, portanto, não considera o Hezbollah como grupo terrorista”.”

“Apesar da posição oficial, o filho do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), disse em agosto, via Twitter: “Essa questão do Hezbollah envergonha o Brasil no exterior. Temos que mudar essa realidade o quanto antes. Desconheço argumentos plausíveis que justifiquem considerar o grupo terrorista Hezbollah como partido político.” No Líbano, a organização é considerada um partido e parte dos países reconhece o grupo dessa forma.”

“Na documentação das investigações sobre o caso da Amia, há evidências de que o Brasil teria sido usado como base operacional para o atentado. Vários integrantes do Hezbollah mencionados nas investigações moravam no Brasil à época.

O grupo também foi responsável por outro atentado, em 1992, na embaixada de Israel em Buenos Aires. Depois da década de 1990, o Hezbollah deixou de lado os ataques terroristas na América Latina e mudou o foco de sua atuação na região.

“[O Hezbollah] faz práticas criminosas para levantar dinheiro. Entrou no negócio de tráfico de drogas, principalmente cocaína e heroína, e outras atividades criminosas que possam dar dinheiro para a organização”, diz Heni Ozi Cukier, especialista em relações internacionais e deputado estadual (Novo-SP).

Ele diz que o Brasil é “a maior rota de exportação de drogas no mundo, principalmente a cocaína”, o que abre uma oportunidade de atuação para o Hezbollah fora do Líbano. “Tem uma parceria com o PCC em que o Hezbollah funciona como distribuidor logístico da droga que o PCC vende para fora. Ele já estaria um passo adiante, não só como um operador logístico mas como um distribuidor mesmo”, explica.

O Hezbollah, de acordo com Cukier, também está envolvido no Brasil em contrabando de cigarro, roubos de carro, lavagem de dinheiro, falsificação de produtos, entre outras atividades. “Sempre com negócios de fachada que parecem legítimos”, diz ele.

“O Brasil é o segundo maior consumidor de cocaína, o primeiro de crack. Tem fronteira com os maiores produtores de cocaína do mundo. Já é a maior rota de distribuição de drogas. Tem uma das maiores organizações criminosas do mundo, que atua no comércio disso. Tem a presença de outra organização terrorista internacional, o Hezbollah, que atua na Tríplice Fronteira [do Brasil com Argentina e Paraguai] em parceria com o PCC. Enfim, há todo um contexto, um cenário, que é um problema muito sério para o Brasil. De longa data. E grave”, afirma Cukier.

Nova conjuntura política pode ajudar a combater o
Durante as gestões do PT, o combate aos ilícitos transnacionais não recebeu a atenção devida do governo brasileiro, segundo Heni Ozi Cukier. A gestão de Bolsonaro, com seu foco na área da segurança, e a nova conjuntura política internacional podem ajudar a resolver o problema.

“Há uma conjuntura internacional diferente, com a proximidade dos Estados Unidos [com o Brasil]. A questão do terrorismo para eles é muito séria. Eles têm feito pressão para que seus aliados da América do Sul, em relação ao Hezbollah, tenham algum posicionamento, porque a maior base de atuação do Hezbollah fora do Oriente Médio é na América do Sul.”

A ascensão de governos de direita na América do Sul, segundo ele, tem ajudado a promover uma mudança. “Os americanos sempre pediam atenção ao tema, e os países daqui não davam importância. Com a mudança no Paraguai, na Argentina, que finalmente declarou o Hezbollah como um grupo terrorista, e no Brasil, houve uma convergência de interesses”, diz Cukier.”

“Para Cukier, uma gravação de um criminoso é emblemática de como a gestão petista seria mais transigente com o crime organizado. Em agosto, veio a público um áudio de conversa entre membros do PCC, interceptado pela Polícia Federal, em que um membro da organização criminosa dizia que, com o PT, o PCC tinha um diálogo “cabuloso”. Na mesma gravação, o criminoso lamentava que o ministro Sergio Moro tinha dificultado a atuação da organização.

Como tem sido a agenda internacional do Brasil para coibir o crime
Na agenda externa, o governo Bolsonaro tem buscado fechar parcerias e pactos para garantir a segurança trasnacional. E o crime organizado tem sido um tema frequente de reuniões mantidas por membros do governo brasileiro com autoridades de outros países. E o impacto internacional de organizações criminosas que atuam no Brasil – como o PCC e o Hezbollah – tem motivado esses diálogos.

O tema dos ilícitos transnacionais foi abordado na Cúpula do Brics, realizada em Brasília na quarta e quinta-feira passadas (13 e 14). Também tem sido pauta de encontros bilaterais do Brasil com países da América do Sul – como Bolívia, Paraguai e Argentina.

Em julho, membros da União Europeia estiveram em evento com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, sobre o assunto. No final de agosto, houve uma reunião de autoridades da Bolívia com membros da pasta de Moro e do ministério das Relações Exteriores. A cooperação na área de inteligência para o desmonte de organizações criminosas foi o principal tema.

Três meses atrás, o Brasil assinou um acordo com o Paraguai para a criação de equipes conjuntas de investigação de crimes transnacionais. Em junho, um dos temas do encontro bilateral entre Jair Bolsonaro e Mauricio Macri, presidente da Argentina, foi o combate ao narcotráfico.

Qual a chance de grupos criminosos promoverem retaliações no Brasil?
Apesar dessa nova posição do governo brasileiro com o crime organizado, Cukier vê poucas chances de retaliação de grupos criminosos ou de ações terroristas do Hezbollah no Brasil. Além disso, afirma que as políticas públicas não podem ser pautadas por esse temor.

“O Brasil não pode deixar que as atividades do Hezbollah cresçam cada vez mais com medo de retaliação. Temos o exemplo da decisão que foi tomada em São Paulo, com a transferência do Marcola [líder do PCC]. Todo mundo falou em retaliação, e não aconteceu nada. E o PCC está mais fraco hoje.””

GAZETA DO POVO

Fechado para comentários.