Estados Unidos confirmam primeiro caso da variante ômicron no país

Autoridades de saúde norte-americanas afirmam que nova cepa foi identificada em paciente no estado da Califórnia

Canadá já havia registrado casos da nova cepa na América do Norte

As autoridades de saúde dos Estados Unidos confirmaram nesta quarta-feira (1º) o primeiro caso da variante ômicron do coronavírus no país. O paciente foi diagnosticado com a nova cepa no estado da Califórnia, na costa oeste norte-americana.

Segundo o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), o primeiro caso identificado da variante no país foi detectado em uma pessoa que voltou da África do Sul em 22 de novembro.

De acordo com informações da agência AFP, o paciente estava completamente vacinado e apresentava apenas sintomas leves. As autoridades de saúde norte-americanas colocaram o viajante em quarentena.

O médico conselheiro da Casa Branca Anthony Fauci disse que o paciente testou positivo para a Covid-19 na última segunda-feira (29), segundo a rede norte-americana CNBC.

“O indivíduo está em quarentena e todos os contatos próximos foram avisados […] até aqui, todos testaram negativo”, explicou Fauci. “Sentimo-nos bem que este paciente não apenas apresentou sintomas leves, mas na verdade os sintomas parecem estar melhorando”.

O governador do estado da Califórnia, Gavin Nwesom, reforçou a importância da vacinação e pediu para a população se manter “vigilante” quanto à doença.  “Recebam as doses de reforço. Usem mascarás em lugares fechados”, destacou o político.

Brasil e Canadá já haviam registrado casos da cepa ômicron nas Américas. Segundo a CNN dos Estados Unidos, outros 21 países também identificaram pacientes com a nova variante.

Especialistas temem que a ômicron, reportada pela primeira vez na África do Sul, seja mais transmissível que a delta, cepa atualmente dominante no mundo. As farmacêuticas que desenvolveram vacinas contra a Covid-19, como Moderna e Pfizer, iniciaram estudos para descobrir se os imunizantes aplicados na população são eficazes para a nova mutação.

Compartilhe:

Deixe um comentário