Jararaca paz e amor? por Marcelo Tognozzi

Lula voltou em grande estilo. Subiu no palanque do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo pronto para seu primeiro ato de campanha rumo a 2022. Ele esperava por isso desde que deixou a prisão de Curitiba em 8 de novembro de 2019, depois de 580 dias de cárcere.

Os diálogos hackeados, obtidos pela Polícia Federal, não deixam dúvidas: os procuradores de Curitiba e Sergio Moro fizeram muita coisa errada, combateram o crime praticando outro crime. Se escolhessem agir dentro da lei, o ex-presidente provavelmente teria outro destino. Lula é um profissional da política e soube aproveitar cada segundo do seu evento transmitido ao vivo pela mídia comercial e redes sociais.

Ressurgiu como uma novidade batendo asas por obra e graça de uma decisão do juiz Edson Fachin, mandado ao Supremo pela caneta de Dilma, porém, uma vez togado, foi perdidamente seduzido pela impetuosidade daqueles jovens do Paraná, alguns seus ex-alunos, e acabou tomado de entusiasmo pela Lava Jato.

Fachin inovou com uma espécie de VAR do Judiciário. Reviu os lances dos últimos 5 anos, ignorou o impedimento de Sergio Moro, mas decretou que Lula sofrera um pênalti. Há anos os advogados do ex-presidente pediam cartão amarelo para Moro –não achavam que o vermelho sairia–, mas quem acabou expulso do campo foi Lula.

Naquele palco cuidadosamente iluminado, blazer azul, camisa azul clara, calça jeans, máscara vermelha com estrela branca, álcool em gel nas mãos, ele discursou por 2 horas e meia, mostrando sua capacidade infinita de se reinventar. Assoprou e mordeu, falou de amor e ódio, dor e alegria, riqueza e miséria, o bem e o mal. Estava ali por inteiro a nova versão do petista: a jararaca paz e amor. Ao mesmo tempo em que se mostrou pronto para picar de morte os adversários, Moro na primeira fila, abriu os braços e o coração para os que desejarem compor um governo de salvação nacional, desde que aceitem uma única condição: só existe um salvador e seu nome é Luiz Inácio.

A fala de Lula seria perfeita se contivesse um ingrediente fundamental: a autocrítica, o reconhecimento dos erros, uma pitada de humildade. O PT governou a bordo de um projeto de poder no qual eram descarados o uso e o abuso do dinheiro público para financiar seus objetivos. Muitos saíram do governo ricos, como o doutores Antonio Palocci e José Dirceu. Uns andavam de jatinho, outros de Land Rover e muitos circulavam de carro oficial. Lula fez um discurso dando ora no cravo, ora na ferradura, mas foi incapaz de dizer: nós erramos. Não disse e não dirá.

Lembro do Lula no início dos anos 1980 fazendo discurso a favor das diretas na Cinelândia, tremenda energia, criticando o “desgoverno Figueiredo” e falando do trabalhador que não tinha dinheiro sequer para comprar um kibe porque a inflação levava tudo. E do líder do PT na Constituinte anunciando o voto contra o texto final da Constituição, mas justificando que o partido decidira assinar a Carta “porque entende que isso é o cumprimento formal da sua participação nesta Constituinte”.

O sujeito que subiu no palco do Sindicato no dia 10 de março estava mais velho, mas com a mesma energia daquele que denunciou o desgoverno dos militares. Quando teve a oportunidade de participar da elaboração de uma Constituição democrática votou contra o texto final e, mesmo assim, acabou assinando o que não concordava. Nenhuma palavra sobre o desemprego de 13,7 milhões no governo Dilma, nada sobre o mensalão, a roubalheira na Petrobras ou mesmo sobre coisas positivas como as privatizações dos aeroportos, rodovias e hidrelétricas. Se Mário de Andrade conhecesse Lula, ficaria com vergonha de ter escrito algo tão ingênuo como Macunaíma.

Os temas são o desgoverno, a desgraça, a fome e a miséria que retornaram com força, não por causa da pandemia, mas pela incompetência do governo Bolsonaro e seu isolamento da comunidade internacional. Este é o eixo da narrativa da campanha do PT que acaba de ir para as ruas. Agregue a isso máscaras com estrelas, fraquinhos de álcool em gel com estrelinhas e ações multimídia (de camisetas a redes sociais) e teremos 18 meses de muita mobilização e emoção pela frente.

O lado paz e amor seduziu logo de cara o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia, que foi ao twitter dizer que as pessoas não precisam gostar do Lula para entender a diferença entre ele o Bolsonaro. E comparou o presidente com o ex, dando tração à narrativa que Lula acabara de desfiar no palanque de São Bernardo. O senador Ciro Nogueira, presidente do PP, foi para o outro lado, mantendo a distância regulamentar do isolamento social: “Lula não é mais o mesmo de 20 anos atrás”.

As referências ao “deus mercado” e à manutenção da pobreza como forma de dominação, num país onde trabalhador não vai ao teatro e, pelas suas contas, os privilégios sociais e culturais são desfrutados por apenas 35 milhões de brasileiros, fazem parte do lado jararaca inspirado nas teses debatidas e votadas nos congressos do PT.

Entre estes textos há um muito interessante produzido por Breno Altman e Ivan Alex para o 6º Congresso em 2017. Descreve nas linhas e entrelinhas toda estratégia petista de retomada do poder e o que fazer para ela acontecer, como a apostar na polarização com os adversários, ocupar o Judiciário e o Ministério Público, controlar a mídia através do Conselho de Comunicação, liberar o aborto, drogas consideradas leves e promover reconhecimento da família formada por casais homoafetivos. A polarização une petistas e bolsonaristas como opostos afetivos: ambos crescem no confronto, na pancadaria política. Se alguma coisa atrapalha os extremos é a paz, o diálogo e a tolerância. Mas isso é café pequeno…

Quem procurar os detalhes no discurso de Lula, cruzando estas informações, irá entender todos os recados por ele dados à Globo, ao Judiciário, ao Ministério Público e aos demais partidos de esquerda e de centro. Lula disse não ter ódio e ser grato por Deus o abençoar com muitas coisas boas. A melhor das graças divinas certamente é sua capacidade de seduzir e se reinventar. É imbatível e diabolicamente competente.

Bolsonaro só tem uma coisa a fazer: trabalhar duro para se manter no topo das pesquisas para 2022. Um abalo, qualquer abalo, pode significar a abertura de uma temporada de traições e instabilidades políticas. Nesta primeira fase, o jogo caminha para uma disputa entre extremos. Ainda há muita espuma e é cedo para fazer previsões. Muita gente boa trabalha para erguer uma terceira via e seria um desatino decretar a morte prematura desta alternativa. Getúlio Vargas dizia que “o destino é cego, mas deve haver alguém que o guie pela mão”. O velho viveu e morreu na instabilidade da política brasileira, onde a surpresa é a própria rotina.

poder 360

Compartilhe:

9 thoughts on “Jararaca paz e amor? por Marcelo Tognozzi

Deixe um comentário